O corpo e a simbologia arquetípica no movimento Taki Onkoy nos Andes no fim do século XVI d.C.

11/27/2020

Neste artigo, Sandra Morales, a partir da teoria junguiana, aborda o encontro de dois mundos e busca entender os complexos processos psicológicos e corporais que giravam em torno do movimento Taki Onkoy. A psicologia analítica contribui para compreender os momentos históricos da violência e do trauma em que um conjunto de símbolos sociais foi aniquilado e o ser humano retornou desesperadamente à procura de seu próprio imaginário, de seus mitos e de sua própria essência, usando para isso os símbolos e o corpo.