Entre a ausência e a presença

uma análise junguiana dos filhos de mães bipolares

Autores

  • Daiane Piarete ANCP
  • Irene Pereira Gaeta

DOI:

https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0010

Palavras-chave:

psicoterapia analítica, transtorno bipolar, relações mãe-criança

Resumo

O objetivo deste estudo foi compreender o relacionamento dos filhos com mães portadoras de transtorno bipolar do humor, a partir do referencial teórico junguiano. Analisou-se o impacto da psicopatologia da mãe na vida de seus filhos, a percepção deles em relação ao vínculo afetivo que possuem com suas mães e as possibilidades/ impossibilidades de interações entre ambos. Foram realizadas e analisadas seis entrevistas com pessoas dos sexos feminino e masculino, idade adulta, filhas e filhos de mães com esse diagnóstico. As entrevistas seguiram um roteiro de perguntas abertas e a aplicação de desenhos com a temática da relação mãe e filho. Observou-se que o diagnóstico psiquiátrico de transtorno bipolar de humor nas mães acarretou prejuízos emocionais para os filhos, interferindo diretamente na fase de desenvolvimento de alguns participantes que, por vezes, assumiram o papel de cuidadores em idade ainda precoce e apresentaram perceptíveis características de personalidade ansiosa. Por outro lado, a dor pareceu transformar-se em resiliência e criatividade, somada ao suporte social, mostrou-se um caminho para uma condição mais fortalecida e para que esses indivíduos se tornassem protagonistas de suas próprias histórias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Appolinário, F. (2006). Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Leaming.

Associação Brasileira de Psiquiatria. (2015). O transtorno bipolar e o suicídio na gravidez. Rio de Janeiro: ABP.

Berk, L. (2011). Guia para cuidadores de pessoas com transtorno bipolar. São Paulo: Segmento Farma.

Camargo, A. C. (2005). Tempo de falar e tempo de escutar: a produção de sentido em um grupo terapêutico. Dissertação de Mestrado, Universidade São Marcos, São Paulo.

Chevalier, J., & Gheerbrant, A. (2016) Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números (29a ed.). Rio de janeiro: José Olympio.

Cid, M. F. B., Matsukura, T. S., & Silva, M. D. P. (2012). Transtorno mental materno e desenvolvimento infantil: percepções sobre essa realidade. O Mundo de Saúde, 36(2), 265-275. https://doi.org/10.15343/0104-78092012362265275. DOI: https://doi.org/10.15343/0104-78092012362265275

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [Internet]. (2008-2013). Recuperado em 29 de abril de 2017, de https://www.priberam.pt

Feldman, B. (2006). A infância de Jung e sua influência no desenvolvimento da psicologia analítica. Cadernos Junguianos (2), 1-43.

Furth, G. M. (2004). O mundo secreto dos desenhos: uma abordagem junguiana da cura pela arte (G. Gerheim, trad., Coleção Amor e Psique). São Paulo: Paulus.

Gallbach, M. R. (1995). Sonhos e gravidez: iniciação à criatividade feminina. São Paulo: Paulus.

Jacoby, M. (2007). Saudades de paraíso: perspectivas psicológicas de um arquétipo (G. Gerheim, trad.). São Paulo: Paulus.

Jung, C. G. (2013). Prefácio da quarta edição. In Símbolos da transformação: análise dos prelúdios de uma esquizofrenia (OC, Vol V., pp. 11-15, 9a ed., E Stern, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1912, revisado em 1952).

Jung, C. G. (2014). O problema dos tipos de atitude. In Psicologia do inconsciente (OC, Vol. VII/1, pp. 52-91, 24a ed., M. L. Appy & D. M. R. F. Silva, trads.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1912).

Kalsched, D. (2013). O mundo interior do trauma: defesas arquetípicas do espírito pessoal. (C. G. Duarte, trad., Coleção Amor e Psique). São Paulo: Paulus.

Kast, V. (1997). Pais e filhas, mães e filhos: caminhos para a auto-identidade a partir dos complexos materno e paterno. (M. C. Mota, trad.). São Paulo: Edições Loyola.

Moreno, M. T. N. (2002). A bela adormecida e a adolescência: um enfoque da junguiano. São Paulo: Vetor.

Neumann, E. (1995). A criança: estrutura e dinâmica da personalidade em desenvolvimento desde o início de sua formação. 10a ed. São Paulo: Cultrix. (Trabalho original publicado em 1980).

Penna, E. M. D. (2009). Processamento simbólico arquetípico: uma proposta de método de pesquisa em psicologia analítica. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Souza, A. S. (2008). O impacto do transtorno bipolar do humor na família. Dissertação de Mestrado, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

World Health Organization. (2019). Mental disorders [Internet]. Geneva: WHO. Recuperado em 22 de novembro de 2021, de https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/mental-disorders

Downloads

Publicado

12/02/2021

Como Citar

Piarete, D., & Gaeta, I. P. (2021). Entre a ausência e a presença: uma análise junguiana dos filhos de mães bipolares. Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 6(1), 1–14. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2021.vol06.0010

Edição

Seção

Artigo de pesquisa original