Reflexões sobre o conflito entre religião e homossexualidade

Autores

  • Guilherme Silva Gonçalves Faculdades Metropolitanas Unidas

DOI:

https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2020.vol05.0010

Palavras-chave:

psicologia da religião, homossexualidade, mitologia, psicologia junguiana

Resumo

Este artigo investiga alguns aspectos psicológicos que influenciaram o conflito entre homossexualidade e religião ao longo da história, tendo a psicologia analítica de C. G. Jung como referência teórica principal. Essa questão é relevante, pois a presente divisão ideológica no Brasil pode levar os que apoiam a comunidade LGBTI+ a se afastarem dos símbolos religiosos. Na perspectiva junguiana, esse afastamento é um problema, uma vez que traz prejuízo aos próprios indivíduos. O artigo inicia com a análise de exemplos de religiões que proíbem relações entre pessoas do mesmo sexo. Posteriormente, são investigados os mitos e características psicológicas gerais da humanidade que fundamentam esses dogmas. Em seguida, descreve-se a relação da religião com certos mecanismos arcaicos de orientação psicológica. Conclui-se que quando imagens mitológicas, como o casal heterossexual divino, são interpretadas literalmente e não simbolicamente, formas diferentes de sexualidade podem ser desvalorizadas. Além disso, em diversas culturas, fenômenos naturais menos frequentes são considerados transgressões que exigem expiação. Nas religiões estudadas aqui, a homossexualidade foi incluída entre esses fenômenos, mesmo que isso não tenha acontecido em outras tradições. A soma das experiências religiosas que refletem a vivência da média, composta por maioria heterossexual, influencia os tabus sexuais da comunidade. Por fim, o artigo descreve o processo de individuação, uma forma de solucionar conflitos entre as características do indivíduo e os valores coletivos, possibilitando uma nova via de acesso aos símbolos das tradições religiosas, interpretando-os como símbolos da realização da própria individualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adamczyk, A., & Pitt, C. (2009). Shaping attitudes about homosexuality: the role of religion and cultural context. Social Science Research, 38(20), 338-351. https://doi.org/10.1016/j.ssresearch.2009.01.002.

Alcorão. Shura Ash-Shu'ara 26: 165-166. Recuperado em 18 de março de 2019, de https://quran.com/26/165-166.

Barstow, A. (1978). The uses of archeology for women history: James Melaart’s work on the Neolithic Goddess at Çatal Hüyük. Feminist Studies, 4(3), 7-18. https://doi.org/10.2307/3177535.

Bíblia de estudo integrada. (2017). (A. L. Tangerino, trad.). Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil.

Boudjemadi, V., Demoulin, S., & Bastart, J. (2017). Animalistic dehumanization of older people by younger ones: variations of humanness perceptions as a function of a target’s age. Psychology and Aging, 32(3), 293–306. https://doi.org/10.1037/pag0000161.

Budge, E. W. (1904). The gods of the egyptians or studies in Egyptian Mythology (Volume I). Londres: Methuen & Co.

Byington, C. (1985). As polaridades masculino e feminino, adulto e criança e o método simbólico na teoria do conhecimento. Núcleo de Estudos Junguianos. Recuperado em 18 de março de 2019, de https://www.pucsp.br/jung/portugues/publicacoes/artigos_as_polaridades_masculino_feminino.html

Conselho Federal de Psicologia. ([2014]). Posicionamento do sistema Conselhos de Psicologia para a questão da psicologia, religião e espiritualidade. [Brasília, DF: CFP]. Recuperado em 15 de março de 2019, de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2014/06/Texto-aprovado-na-APAF-maio-de-2013-Posicionamento-do-Sistema-Conselhos-de-Psicologia-para-a-quest%C3%A3o-da-Psicologia-Religi%C3%A3o-e-Espiritualidade-8-2.pdf.

Conselho Federal de Psicologia. (2018). Resolução n. 1, de 29 de janeiro de 2018. Recuperado em 15 de março de 2019, de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/01/Resolu%C3%A7%C3%A3o-CFP-01-2018.pdf.

Devdutt, P. (2009). Did Homosexuality exist in ancient India? Recuperado em 18 de março de 2019, de http://devdutt.com/articles/applied-mythology/queer/did-homosexuality-exist-in-ancient-india.html

Eliade, M. (2010). História das crenças e das ideias religiosas I: da Idade da Pedra aos mistérios de Elêusis. Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1976).

Frost, N. (2017 December 7). How the 18th-Century Gay Bar Survived and Thrived in a Deadly Environment: Wellcome to the Molly House. Atlas Obscura. Recuperado em 18 de março de 2019, de https://www.atlasobscura.com/articles/regency-gay-bar-molly-houses

Gates, G. J. (2011, April). How many people are lesbian, gay, bisexual, and transgender?. The Williams Institute. Recuperado em 18 de março de 2019, de https://williamsinstitute.law.ucla.edu/publications/how-many-people-lgbt/.

Gibbs, J. J., & Goldbach J. (2015). Religious conflict, sexual identity, and suicidal behaviors among LGBT young adults. Archives of Suicide Research, 19(4), 472-488. https://doi.org/10.1080/13811118.2015.1004476.

Harris, L. T., & Fiske, T. S. (2006). Dehumanising the lowest of the low: neuroimaging responses to extreme out-groups. Psychological Science, 17(10), 847-853. https://doi.org/10.1111/j.1467-9280.2006.01793.x

Haversath, J., Gärttner, K. M., Kliem, S., Vasterling, I., Strauss, B., & Kröger, C. (2017). Sexual Behavior in Germany. Deutsches Ärzteblatt International, 114(33–34), 545–550. https://doi.org/10.3238/arztebl.2017.0545.

Harvey, P. (2000). An introduction to Buddhist ethics. Cambridge: Cambridge University Press.

Hesíodo. (s.d.). Teogonia. Recuperado em 18 de março de 2019, de http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=Perseus%3Atext%3A1999.01.0130%3Acard%3D820

Ibope. (2013). Quase a metade dos internautas brasileiros concorda com o casamento gay. Recuperado em 16 de novembro de 2019, de https://web.archive.org/web/20140620164431/http://www.ibope.com.br/pt-br/relacionamento/imprensa/releases/Paginas/Quase-a-metade-dos-internautas-brasileiros-concorda-com-o-casamento-gay.aspx.

James, W. (2009). The varieties of religious experiences. Adelaide: eBook@Adelaide. (Trabalho original publicado em 1902). Recuperado em 18 março de 2019, de https://ebooks.adelaide.edu.au/j/james/william/varieties/complete.html.

Jung, C. G. (2012). Relações entre a psicoterapia e a Direção Espiritual. In: Psicologia e religião ocidental e oriental: escritos diversos (OC, Vol. 11/6, 3a ed. pp. 81-104). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1932).

Jung, C. G. (2012). Psicologia e religião ocidental e oriental: psicologia e religião (OC, Vol. 11/1, 11a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1937).

Jung, C. G. (2012). Psicologia e religião ocidental e oriental: o símbolo da transformação na missa (OC, Vol. 7a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1942 [1954]).

Jung C. G. (2012). Mysterium coniunctionis: rex e regina, Adão e Eva, a conjunção (OC, Vol. 14/2, 3a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1956).

Jung, C. G. (2012). Prefácio ao livro de Victor White: Deus e o inconsciente. In: Psicologia e religião ocidental e oriental: escritos diversos (OC, Vol. 11/6, 3a ed., pp. 53-64). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1957).

Jung, C. G. (2013). Símbolos da transformação (OC, Vol. 5, 9a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1912, revisado e expandido em [1952]).

Jung, C. G. (2013). Tipos psicológicos (OC, Vol. 6, 7a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1921, revisado em [1950]).

Jung C. G. (2013). Psicologia Analítca e Educação. In: O desenvolvimento da personalidade (OC, Vol. 17, 14a ed., pp. 73-148). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1926).

Jung, C. G. (2013). O problema amoroso do estudante. In: Civilização em mudança: civilização em transição (OC, Vol. 10/3, 6a ed., pp. 107-123). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1928).

Jung, C. G. (2013). O homem arcaico. In: Civilização em mudança: civilização em transição (OC, Vol. 10/3, 6a ed., pp. 60-83). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1931).

Jung, C. G. (2013). Determinantes psicológicas do comportamento humano. In: A dinâmica do inconsciente: a natureza da psique (OC, Vol. 8/2, 10a ed., pp.60-71). Petrópolis: Vozes. (Trabalho original publicado em 1937).

Jung, C. G. (2013). Depois da catástrofe. In: Civilização em mudança: aspectos do drama contemporâneo (OC, Vol. 10/2, 5a ed., pp. 28-51). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1945).

Jung, C. G. (2013). Considerações teóricas sobre a natureza do psíquico. In: A dinâmica do inconsciente: a natureza da psique (OC, Vol. 8/2, 10a ed., pp. 104-185). Petrópolis: Vozes. (Trabalho original publicado em 1946).

Jung, C. G. (2013). A árvore filosófica. In: Estudos alquímicos (OC. Vol. 13, 4a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1954, pp. 266-374).

Jung, C. G. (2013). Civilização em mudança: presente e futuro (OC, Vol. 10/1, 8a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1957).

Jung, C. G. (2013). A consciência na visão psicológica. In: Civilização em mudança: civilização em transição (OC, Vol. 10/3, 6a ed., pp. 184-202). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1958).

Jung, C. G. (2014). Sobre os arquétipos do inconsciente coletivo. In: Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC, Vol. 9/1, 11a ed., pp. 11-50). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1935).

Jung, C. G. (2014). O arquétipo com referência especial ao conceito de anima. In: Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC, Vol. 9/1, 11a ed., pp. 63-81). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1936).

Jung, C. G. (2014). Aspectos psicológicos do arquétipo materno. In: Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC, Vol. 9/1, 11a ed., pp. 82-115). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1939).

Jung, C. G. (2014). A psicologia da figura do “trickster”. In: Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC, Vol. 9/1, 11a ed., pp. 256-273). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1954).

Jung, C. G. (2014). Estudo empírico do processo de individuação. In: Os arquétipos e o inconsciente coletivo (OC, Vol. 9/1, 11a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1950).

Kralovec, K., Fartacek, C., Fartacek, R., & Plöderl, M. (2014). Religion and suicide risk in lesbian, gay and bisexual Austrians. Journal of Religion and Health, 53(2), 413-423. https://doi.org/10.1007/s10943-012-9645-2

Lévy-Bruhl, L. (2008). A mentalidade primitiva. São Paulo: Paulus. (Trabalho original publicado em 1922).

Manusmirtii: the laws of Manu (G. Buhler, trad.). Recuperado em 18 de março de 2019, de https://www.islamawareness.net/Hinduism/manusmriti.pdf.

McLoughlin, N., Tipper, S. P., & Over, H. (2018). Young children perceive less humanness in outgroup faces. Developmental Science, 21(2), e12539. https://doi.org/10.1111/desc.12539.

Methangkun, B. (1986). How can people be karthoeys?. Bangkok: Abhidhamma Foundation.

Miranda, P. (2019). C. G. Jung e a religião. Self - Revista do Instituto Junguiano de São Paulo, 4(1), e8. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2019.vol04.0008.

O Mahabharata: Udyoga Parva (E. Meier, trad.). [s.d.]. [s.l.]: Distributed Proofing.

Olson, L. R., Cadge, W., & Harrison, J. T. (2006). Religion and Public Opinion about Same‐Sex Marriage. Social Science Quarterly, 87(2), 340-360. https://doi.org/10.1111/j.1540-6237.2006.00384.x.

Peterson, J. B. (1999). Maps of meaning: the architecture of belief. New York: Routledge.

Richters, J., Altman, D., Badcock, P. B., Smith, A. M. A., de Visser, R. O., Grulich, A. E. et al. (2014). Sexual identity, sexual attraction and sexual experience: the second Australian study of health and relationships. Sexual Health, 11(5), 451-460. https://doi.org/10.1071/SH14117.

Schulte, L. J., & Battle, J. (2004). The relative importance of ethnicity and religion in predicting attitudes towards gays and lesbians. Journal of Homosexuality, 47(2), 127-142. https://doi.org/10.1300/J082v47n02_08

Sokolov, E. N. (1969). Handbook of contemporary Soviet psychology. New York: Basic Books.

Tix, A. (2019, Feb 18). Gays and the church: applying psychology to facilitate constructive dialogue. Psychology Today. Recuperado em 19 de março de 2019, de https://www.psychologytoday.com/intl/blog/the-pursuit-peace/201902/gays-and-the-church.

Trevors, G. J., Muis, K. R., Pekrun, R., Sinatra, G. M., & Winne, P. H. (2016). Identity and epistemic emotions during knowledge revision: a potential account for the backfire effect. Discourse Processes, 53(5-6), 339-370. https://doi.org/10.1080/0163853X.2015.1136507.

Wang, S., Lilienfeld S. O., Rochat, P. (2019). Schadenfreude deconstructed and reconstructed: a tripartite motivational model. New Ideas in Psychology, 52, 1-11. https://doi.org/10.1016/j.newideapsych.2018.09.002.

Yip, A. T. (2005). Queering religious texts: na exploration of Britsh non-heterosexual Christians’s and Muslim’s strategy of constructing sexuality-affirming hermeneutics. Sociology, 39(1), 47-65. https://doi.org/10.1177/0038038505049000.

Downloads

Publicado

09/30/2020

Como Citar

Silva Gonçalves, G. (2020). Reflexões sobre o conflito entre religião e homossexualidade . Self - Revista Do Instituto Junguiano De São Paulo, 5, 1–18. https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2020.vol05.0010

Edição

Seção

Artigo de reflexão (ensaio)